Geralmente chamamos de tártaro o que é apontado por especialistas como cálculo dentário. O problema surge por conta do acúmulo de resíduos de alimentos e sais minerais, presentes até mesmo na saliva dos cães e gatos. Seu início ocorre com o acúmulo de placas bacterianas, estas que se organizam e produzem algumas toxinas que geram gengivite. Aos poucos a placa vai se acumulando por conta da falta de escovação, onde ocorre a calcificação e automaticamente uma formação de tártaro.

Dicas para evitar o tártaro nos cães

Consequências do tártaro canino

O tártaro dos cães poderá gerar retração gengival, e além disto, perda óssea e até mesmo perda dos dentes. Esta situação ocorre por conta do descuido e principalmente desconhecimento dos donos que apenas irão levar o cão a um consultório quando o estado estiver mais avançado.

Esta doença também pode gerar mal hálito, sendo este a perda dos dentes, e sintomas mais aparentes. Em contrapartida, existem outras consequências que poderão afetar a saúde dos cães de forma geral. Infecções geradas na gengiva, repletas de vasos sanguíneos, que acabam sendo levadas através do sangue para outros órgãos, podendo assim debilitar o animal.

Dicas para evitar o tártaro nos cães

Afetando o sistema nervoso, as bactérias poderão gerar meningites, quando afetam o coração podem causar endocardite, e ao afetar as articulações artrites, mas não são apenas estes os órgãos afetados pelo problema mas sim todos eles.

Como prevenir o problema?

Para prevenir o problema de tártaro, caso seu cão não tenha problemas neste sentido, antes de deixar que isso ocorra, é fundamental que ele faça um tratamento com anestesia geral. Para evitar o acúmulo das placas, ofereça ossinhos artificiais para o cão, biscoitos e rações especiais que poderão ajudar na prevenção de placas bacterianas bem como seu acúmulo.