Por Rodrigo Bueno

publicado em Saúde

A infecção intestinal é uma doença que costuma ser bastante comum no dia a dia dos cães, uma vez que eles costumam comer tudo o que enxergam diante deles. Mesmo que as pessoas tentem controlar o que eles comum, muitas vezes essa é uma tarefa que se torna bem complicada, especialmente para os cães que ficam na rua.

Conheça alguns sinais de que o seu cachorro pode estar com infecção intestinal

A infecção intestinal geralmente acaba sendo originária de bactérias, vírus e parasitas intestinais e que costumam causar diarreias e vômitos nos pets. Como se trata de uma doença que precisa ser monitorada, o seu tratamento geralmente precisa ser feito com a utilização de medicamentos.

Por isso, é fundamental ficar atento a essas cinco mudanças que realmente podem indicar uma infecção intestinal:

  •     vômitos;
  •     alteração nas fezes, como: diarreia com ou sem sangue, fezes pastosas e com muco;
  •     anorexia ou hiporexia (ausência de apetite);
  •     dor abdominal, percebida quando o animal fica com o abdômen recolhido ou curvado;
  •     prostração ou hipoatividade.

Por isso, sempre que o dono do cão perceber que o pet está sofrendo com um ou mais destes sintomas, é fundamental que ele possa ser levado em um médico veterinário para que sejam feitos os diagnósticos necessários e que sejam encaminhadas as opções de tratamento.

Conheça alguns sinais de que o seu cachorro pode estar com infecção intestinal

Além disso, é muito importante que as pessoas fiquem mais atentas as condições do cão de uma forma geral enquanto ele está passando pelo tratamento. Assim como qualquer doença, o pet tende a ficar mais debilitado, portanto vai precisar ficar mais confortável.

Além disso, mais do que nunca será preciso cuidar da alimentação. O veterinário vai acabar prescrevendo uma série de passos neste aspecto, mas é fundamental lembrar que o monitoramento humano é importante. O cão não pode comer demais, uma vez que seu sistema digestivo vai estar prejudicado, mas também não pode deixar de comer, correndo o risco de ficar enfraquecido ou desidratado.