O caso que acabou criando uma onda de revolta nas redes sociais e que envolveu a morte de um cachorro dentro das dependências do supermercado Carrefour acabou tendo mais um desdobramento nesta semana. A Polícia Civil anunciou que fechou o inquérito aberto na delegacia de Osasco e decidiu acusar formalmente o segurança do estabelecimento pela morte do animal.

Polícia acusa segurança por agressão e morte no caso do cachorro do Carrefour

De acordo com os dados que foram divulgados, o segurança vai ser acusado pela agressão que resultou na hemorragia e, consequentemente, a morte do animal em 28 de novembro. Ainda de acordo com o que foi divulgado pela Polícia Civil, seguindo o que estabelece a legislação brasileira nestes casos, ele responderá pelos crimes de maus-tratos contra os animais em liberdade.

A assessoria de imprensa da Secretaria da Segurança Pública (SSP) confirmou o fechamento do inquérito e o resultado que se seguiu. De acordo com a pasta, agora um relatório do caso seria enviado para apreciação do Ministério Público (MP) e da Justiça.

As imagens da câmera de segurança acabaram sendo fundamentais para o entendimento do que tinha acontecido. Apesar da câmera não ter registrado exatamente o momento da agressão, foi possível identificar o segurança do estabelecimento correndo e batendo com uma vassoura no que seria o corpo do cachorro.

Polícia acusa segurança por agressão e morte no caso do cachorro do Carrefour

Posteriormente, o segurança foi encaminhado para a delegacia, onde admitiu, em depoimento à polícia, ter batido no animal com a barra, mas que não teve a intenção de feri-lo. As imagens mostram o cachorro, que era chamado pelos funcionários do estabelecimento de “Manchinha”, aparece mancando e sangrando.

Até o momento o segurança que está sendo acusado pelo crime de maus tratos contra os animais não teve o seu nome divulgado. Ele irá responder pelo crime de acordo com artigo 32 da Lei número 9.605/98 de Crimes Ambientais. Até o momento, nem ele e nem os advogados de defesa do segurança se manifestaram sobre o assunto publicamente.