Um cachorro da raça Daschund (ou o famoso "salsichinha") que mora no Canadá passou por um procedimento que contou com tecnologias inovadoras para remoçã de um tumor osteocondrossarcoma multilobular. Trata-se de um câncer que cresce na região do crânio e que acaba esmagando o cérebro, afetando também a órbita ocular.

Pesquisadores criam crânio 3D para salvar cachorro com câncer

Os veterinários optaram por fazer a cirurgia que iria tentar remover o tumor da cabeça do cachorro, mas não poderiam seguir os procedimentos padrões, pois a cirurgia demoraria muito e os cães não podem ficar muito tempo anestesiados. Para conseguir apressar o procedimento, os profissionais removeram uma parte do crânio, avaliaram o dano e moldaram uma tela de titânio para a área que precisa ser substituída.

De acordo com as informações que foram divulgadas pelo portal IFL Science, primeiro os veterinários envolvidos na cirurgia mapearam a localização e o tamanho do tumor, e depois chamaram um engenheiro que criou um modelo 3D do crânio de titânio do cachorro.

"Fui capaz de fazer a cirurgia antes mesmo de entrar na sala cirúrgica", disse em comunicado Michelle Oblak, oncologista do Colégio Veterinário de Guelph. De acordo com ela, 70% do topo do crânio do animal precisava ser substituído, o que deixaria grande parte de seu cérebro desprotegido durante a operação. 

Pesquisadores criam crânio 3D para salvar cachorro com câncer

A placa craniana foi construída com uma impressora 3D, e demorou menos de cinco horas para ficar pronta. Os profissionais afirmam que o cachorro estava alerta e olhando para os lados apenas 30 minutos depois do procedimento, um tempo recorde para este tipo de cirurgia.

A partir deste procedimento de sucesso, os profissionais afirmam que essa tecnologia pode acabar eliminando as necessidades de modelar parte substitutas diretamente na sala de cirurgia, reduzindo assim os riscos que os animais enfrentam quando precisam passar muito tempo sob anestesia.

Além disso, técnicas semelhantes também podem começar a ser feitas para cirurgias realizadas em humanos, em um futuro próximo.