Diversas pesquisas já foram feitas e comprovaram que os cães podem ajudar os humanos das mais variadas formas em relação a emergências médicas. Um estudo inglês recente revela que os cachorros também podem acabar ajudando pessoas diabéticas que estejam em crise. De acordo com os resultados, os cães precisam passar por um treinamento para isso.

Cães treinados podem ajudar pessoas diabéticas em crise

Na pesquisa, os cientistas acompanharam pessoas que já tinham sido diagnosticadas com diabetes e que passaram a contar com a ajuda de cães treinados. O objetivo era ensinar os cachorros a identificar sempre que o humano estiver passando por uma crise de hipoglicemia, que é o que geralmente acontece com os diabéticos.

Uma série de fatores desencadeados pelas crises hipoglicêmicas são os fatores que fazem com que os cães sejam capazes de identifica-las, sendo o suor dos humanos e as suas particularidades os itens que carregam as principais indicações desse tipo de situação. Segundo o estudo, em momentos de crise os diabéticos suam e, este suor misturados às diversas bactérias da pele humana produzem um cheiro específico, que pode ser reconhecido pelos cachorros com certa facilidade.

Nas ocasiões em que o nível de glicose dos humanos dispara, o cheiro produzido no hálito da pessoa (que se assemelha ao de uma maçã madura) também pode ser detectado pelos cães. Em ambos os casos, os animais treinados, ao notar tais sinais, passam a pular e latir muito, até que uma providência seja tomada pelo diabético em crise.

Cães treinados podem ajudar pessoas diabéticas em crise

A função do cachorro é conseguir antecipar este tipo de crise. Nos primeiros sinais, o cão sente os cheiros e passa a fazer determinados movimentos que podem avisar as pessoas que elas estão prestes a ter uma crise. Com isso, elas acabam tendo tempo de tomar alguma medicação ou tomar alguma providência.

O estudo confirmou que os cães realmente são muito eficientes neste tipo de situação, desde que passe pelo treinamento necessário. Foi constatado uma grande diminuição nos episódios de inconsciência entre estes pacientes.