Fofuxo.com

Pesquisadora afirma que pessoas fazem mal ao tratar cães como “pequenas pessoas”

Resultados de pesquisa foram publicados em um livro de sucesso chamado A Cabeça do Cachorro.

Tratar um cachorro como filho ou filha é muito comum nos dias de hoje. E não se trata de uma força de hábito, as pessoas literalmente tratam um cachorro como seu filho ou filha, começando por chama-lo assim. Além disso, estamos cada vez mais comprando roupas para os cachorros, colocando perfumes nele, deixando que ele durma nas camas, e por aí vai.

Pesquisadora afirma que pessoas fazem mal ao tratar cães como “pequenas pessoas”

A demonstração de amor pelo cachorro deve estar presente nesta relação, mas pesquisadores afirmam que tratar os animais como se eles fossem “pequenas pessoas” pode ser destrutivo para o próprio animal. A ideia é fortemente defendida pelo livro A Cabeça do Cachorro, escrito pela pesquisadora norte-americana Alexandra Horowitz.

Confira algumas das ideias defendida por esta importante pesquisadora que ganhou o respeito até mesmo de seus colegas pelos resultados das pesquisas.

“Pequenas pessoas”

O temo acabou surgindo para mencionar hábitos que os donos dos cães acabam impondo do seu animal. Todos parecem apenas demonstração de afeito ou sinal de proteção, mas podem fazer mal para o cachorro. Por exemplo, colocar perfumes em um animal acaba privando ele do seu próprio odor, que para os cachorros é muito importante, praticamente como uma identidade. Fazer com que eles utilizem roupas pode ser extremamente desconfortável, e muitos interpretam como sinal de punição.

Mercado Pet

Pesquisadora afirma que pessoas fazem mal ao tratar cães como “pequenas pessoas”A pesquisa conduzida por Alexandra mostra que as pessoas não tomam este tipo de atitude por mal, muito pelo contrário. Prova apenas que existe uma grande vontade de acertar em cuidar do animal. Mas também mostra que as pessoas não estão sabendo o que fazer para tornar a vida do cão mais saudável. Existem muitos produtos e serviços que são lançados para animais que são pensados, na verdade, para humanos. Mas não podemos esquecer que somos espécies diferente e que temos necessidades diferentes.

Sobre o mercado de compra e venda de animais, pesquisa comprovam que as pessoas que adotam são mais responsáveis do que as pessoas que compram os animais. O livro de Alexandra defende que os países deveriam começar a pensar em políticas para diminuir a venda de animais e incentivar a adoção.

Dicas

De um modo geral, Alexandra defende que os donos pensem um pouco mais nas necessidades que o animal tem, ao invés de pensar que eles precisam das mesmas coisas que os humanos. Um exemplo que ela cita muito no livro é a necessidade que os cães possuem de viver o chamado mundo olfativo.

Os cachorros possuem este sentido muito mais aguçado do que o nosso, a ponto de conseguir diferenciar diferentes movimentos da pessoa apenas pelas concentrações diferentes de odor. E isso é algo que diz muito sobre o mundo dos cães. Levar o cachorro para dar um passeio e deixar ele sentir cada odor que encontra é um prazer muito maior para o cão do que levar ele para um “spa”. 

Postado em .


Pela Web

Comentários