Nova York é considerada como uma das cidades com maior quantidade de museus no mundo inteiro. E agora a cidade ganhou mais um, mas dessa vez focado naquele que é considerado como o melhor amigo do homem, o cachorro.

Nova York ganha museu do cachorro

O local, inaugurado recentemente, conta com quadros da época vitoriana do século XIX, cartazes de filmes protagonizados por animais de estimação e algumas atrações interativas também.

Na verdade, de acordo com os responsáveis pelo museu, essa pode ser considerada como uma reinauguração, uma vez que o Museu dos Cachorros já funcionava anteriormente. A inauguração, de verdade, aconteceu em Manhattan no ano de 1982. Mas entre 1986 e 2017 o museu foi transferido para Saint Louis, no Missouri. Agora, o museu retorna para o local onde nasceu, de fato.

Agora, o museu funciona dentro da nova sede da American Kennel Club (AKC), entidade que é a responsável por manter o local. O museu é composto por duas salas de exposições e uma biblioteca com 15 mil exemplares de livros, todos eles sobre cachorros.

Nova York ganha museu do cachorro

"Começamos em Nova York, mas por falta de espaço o museu se mudou para Saint Louis. Estava muito longe da cidade e não tínhamos muitos visitantes. Quando transferimos o AKC, também trouxemos o museu", declarou com satisfação.

A ideia do museu é apresentar para o público obras que possuem o cachorro como principal atrativo. Uma das obras mais imponentes que pode ser encontrada no museu é o retrato de um São Bernardo que foi pintado originalmente no ano de 1896. Outras obras em destaque são os quadros do britânico Edwin Henry Landseer (1802-1873), "um incomparável pintor de cachorros e o artista favorito da rainha Victoria da Inglaterra (1819-1901)", incluídos na pinacoteca do AKC, entidade que emite suas próprias regras para a criação de cachorros.