Dar broncas nos cachorros é comum, ainda mais quando eles aprontam. Mas nem sempre essa pode ser a forma correta de lidar com essas situações. Um estudo recentemente publicado em Portugal fez uma revisão de outras 19 pesquisas que foram feitas relacionadas ao comportamento animal e revela que repreender cães podem acabar deixando eles mais estressados e pessimistas.

Punições podem deixar cachorros mais pessimistas

O estudo foi publicado originalmente no periódico científico bioRxiv e revela que as broncas que são dadas nos cachorros podem acabar tendo um efeito completamente reverso daquele que se espera. O estudo também revela que os métodos de treinamento que usam táticas de punição podem acabar colocando os animais em risco tanto em relação a sua saúde física quanto a sua saúde mental.

De acordo com o artigo que foi publicado, a maioria dos estudos que foram revisados foram realizados em cachorros de polícia ou que foram criados em laboratório. Os pesquisadores resolveram fazer novos testes com 92 cães de companhia. Foram recrutados 42 cachorros de escolas de treinamento que usavam comida ou brinquedos como métodos de recompensa para incentivar o bom comportamento dos animais.

Punições podem deixar cachorros mais pessimistas

Durante os estudos, os especialistas filmaram o comportamento dos animais em três sessões comuns de treinamento. Os vídeos mostraram que os cachorros que foram treinados com punição acabaram apresentando mais sinais de tensão e estresse. Dentre os sinais que foram detectados estão lamber os lábios e bocejar.

Além disso, também foram feitos testes de saliva que mostraram que os níveis de cortisol nos cachorros estavam elevados dentre aqueles que passaram pelos métodos de punição. Já os animais que tiveram um tratamento baseado nas recompensas não tiveram qualquer tipo de alteração nos níveis de cortisol.

Outro teste realizado testava a capacidade de otimismo ou de pessimismo dentre os cães, baseado na procura dele por comida. Nestes testes, os cachorros que foram treinados com métodos punitivos eram mais pessimistas, levando mais tempo para verificar se a comida estava na tigela.