A chegada de um novo pet em uma casa sempre acaba alterando a rotina de todos que vivem ali. E isso não acontece apenas com os humanos responsáveis pela casa, mas também costuma impactar diretamente o pet que já mora ali. Principalmente aqueles que foram tratados como únicos durante boa parte da sua vida.

Dicas para adaptar um pet mais velho ao novo mascote

Existem duas questões que precisam ser levadas em consideração quando estamos falando da inserção de outro pet em um ambiente no qual já existe um animal “dominante”. A primeira está diretamente relacionado ao instinto territorialista que pode ser encontrado na essência tanto do cachorro quanto do gato. O segundo está mais direcionado as questões de contato destes animais com os humanos e os laços que são criados.

Diversas pesquisas demonstram que os pets que são criados dentro de casa e com uma grande dose de proximidade com os humanos tendem a se sentirem “donos” daquelas pessoas. E isso dificulta bastante essa inserção.

Dicas para adaptar um pet mais velho ao novo mascote

Uma outra dificuldade que também acaba se impondo é o momento em que isso acontece. Geralmente uma família ou pessoa que teve um cachorro ou apenas um gato sua vida inteira tende a procurar um pet mais novo na medida que o primeiro está se tornando mais velho, como forma de substituição.

Diante deste cenário, confira algumas dicas para tornar essa adaptação mais fácil:

- Entenda a rotina do seu cachorro mais velho e note as mudanças que surgem com a chegada do novo integrante;

- Mantenha a rotina do animal mais velho, e vá inserindo o mais novo aos poucos;

- Tente fazer um teste de adaptação com o pet mais velho antes da mudança definitiva do mais novo;

- Tenha momentos sozinhos com o seu pet mais velho. Isso acaba sendo facilmente negligenciado na medida que muitos donos acham que apenas os filhotes e os cães mais novos precisam de atenção;

- Caso a adaptação realmente não funcione, procure a ajuda de um profissional adestrador.